LabelPackA+ Etiqueta Energética nos Aquecedores

labelpacka_rgb

Desde dia 26 de setembro de 2015, os aquecedores de ambiente e de produção de águas quentes, bem como os reservatórios de águas quentes passam a ter etiqueta energética, tal como acontece já com outros tipos de eletrodomésticos.

Esta etiqueta passa a ser obrigatória conforme a diretiva europeia 2010/30/EU e irá abranger equipamentos como esquentadores, termoacumuladores, bombas de calor e sistemas solares térmicos, entre outros. Para além da aplicação a produtos individuais, a nova etiqueta energética aplica-se também a sistemas mistos, isto é, sistemas que juntem numa só solução produtos convencionais, equipamentos solares e/ou controladores de temperatura.

Entra assim em vigor, uma importante ferramenta de comunicação através da qual os consumidores podem avaliar o consumo de Energia destes equipamentos ou soluções e comparar a eficiência energética de cada um.

Com a chegada do outono e de temperaturas mais frias, são muitos os consumidores que irão comprar equipamentos de aquecimento para manterem as suas casas confortáveis e aquecer a água. Pela primeira vez, estes têm à sua disposição mais informação sobre a utilização de energia dos equipamentos de aquecimento ambiente e de águas sanitárias que compram, podendo avaliar quais os energeticamente mais eficientes. A partir de 26 de setembro só os equipamentos com etiqueta, com categorias que oscilam entre a G (menos eficiente) e a A++ (mais eficiente), poderão estar disponíveis para venda, pois a etiquetagem é obrigatória conforme com a Diretiva Europeia 2010/30/EU e os regulamentos delegados que estabelecem que todos os estados membros incorporem a etiqueta energética nos aquecedores de ambiente e de produção de águas quentes, reservatórios de água quente até 500 litros, e sistemas mistos que utilizem também equipamentos de energia solar e/ou controladores de temperatura.

“Este é um grande passo no mercado das soluções de aquecimento, nomeadamente das soluções que integram energias renováveis, incluindo a energia solar térmica, dado que só estas soluções podem alcançar as categorias mais eficientes como A+ ou superior” declara Pedro Dias, Secretário-geral da Federação Europeia da Industria Solar Térmica (ESTIF).

No entanto, a nova etiqueta apresenta algumas novidades comparativamente às já existentes (e.g. etiqueta dos frigoríficos). Dependendo da fonte de energia e tecnologia utilizada a informação que aparecerá na etiqueta pode apresentar algumas diferenças. Para além da informação na etiqueta, os consumidores devem também ter presente as características da sua habitação para saber que tipo de solução mais se adequa às suas necessidades. Para uma decisão acertada deve procurar um instalador ou profissional qualificado para escolher o sistema certo.

Projeto Europeu apoia instaladores e consumidores
Para promover e ajudar à adoção de soluções mais eficientes, a nova etiquetagem energética aplica-se não só aos produtos individuais mas também aos sistemas mistos, que juntem numa só solução produtos convencionais, equipamentos solares e/ou controladores de temperatura.

Com vista a facilitar e dinamizar a implementação da nova regulamentação, a ADENE – Agência para a Energia, a APISOLAR – Associação Portuguesa de Indústria Solar e a DECO – Associação para a Defesa dos Consumidores participam no projeto Europeu Label Pack A+. Este projeto, liderado pela ESTIF, visa ajudar o mercado e o consumidor final a responder aos desafios desta nova etiqueta e tirar proveito das vantagens que a mesma oferece. Para tal vão ser organizadas ações de formação e sensibilização para profissionais e consumidores e desenvolvidas ferramentas de etiquetagem que facilitem a correta emissão da nova etiqueta.

A etiqueta energética, obrigatória para os equipamentos de aquecimento, irá oferecer mais informações e orientações ao consumidor. Identifica as soluções mais eficientes, bem como as que utilizam energias renováveis, e que como tal implicam menores custos na fatura energética no final de mês. Em combinação com a formação profissional dos instaladores, a introdução da etiqueta irá facilitar a decisão de compra dos consumidores.

O projeto LabelPackA+ é financiado pelo programa Horizon2020 da Comissão Europeia. Oferece informação sobre os equipamentos de aquecimento mediante a etiquetagem energética de produtos e fornece formação aos profissionais e aos consumidores.

Para mais informações consulte www.labelpackaplus.eu.